Aprenda a identificar as pintas perigosas

Uma pinta aqui, uma sarda ali, uma mancha sutil. Algumas podem trazer prejuízos estéticos, mas nada de maior gravidade. A depender do caso, certas marquinhas podem até ser vistas como um charme que não representa perigo algum. Mas será que todas as pintas são inofensivas? Não é bem assim!

As pintas são formações pigmentadas, em relevo ou planas, rugosas ou lisas que surgem na pele. Os fatores genéticos geralmente determinam seu aparecimento, entretanto, a exposição solar também pode deixar a pele “pintada” precocemente. A maioria delas apresenta tonalidade castanha e não possui características de malignidade. Apesar disso, existem pintas relacionadas a tumores de pele como o melanoma, tipo mais grave e com grandes chances de metástase quando não diagnosticado e tratado em estágio precoce.

Quer aprender a identificar quando elas são perigosas e podem ameaçar a saúde? Então confira o ABCDE das pintas!

A – Assimetria

O padrão saudável das pintas é a simetria. Para descobrir se ela é simétrica, tente dividi-la mentalmente, a fim de identificar se algum dos lados difere muito do outro. Se você chegar à conclusão de que ela é assimétrica e de que suas partes não possuem o desenho semelhante, não hesite em buscar auxílio dermatológico.

B – Bordas

As bordas das pintas devem ser delimitadas e regulares. Você precisa saber onde ela começa e termina, pois as bordas irregulares, recortadas, com reentrâncias para fora e para dentro representam um sinal de perigo.

C – Cor

O que representa de fato uma ameaça real é a alteração na pigmentação, isto é, quando uma pinta que era castanha se torna mais escura e enegrecida. Além disso, a presença de várias cores na mesma lesão pode ser um sinal de malignidade.

D – Diâmetro

O tamanho da pinta não pode passar de seis milímetros. Fique atento ao diâmetro das suas! Sinais na pele que excedem esse limite de tamanho demandam investigação, pois o risco de melanoma é maior.

E – Evolução

Por fim, fique de olho na evolução da pinta e desconfie se notar crescimento acelerado. As que crescem rápido demais são as mais perigosas. Tome cuidado! As pintas benignas têm sempre a mesma aparência, e isso significa que, se surgirem alterações no tamanho, cor, relevo e formato ou mesmo se elas sangrarem, coçarem ou formarem crosta, o dermatologista deverá ser consultado.

Apesar desse ABCDE ser de grande valia, o dermatologista é o profissional mais habilitado para avaliação e diagnóstico dos diferentes tumores de pele. Portanto, se você possui muitas pintas no corpo, se tem histórico familiar de melanoma ou se notou que surgiu alguma lesão nova ou mesmo se alguma pinta sofreu modificações, não hesite em consultar um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia o quanto antes.

Em tempo, é importante que você saiba que o câncer de pele é o mais comum no Brasil e corresponde a 30% dos tumores malignos no país, sendo que o melanoma representa 3% dos casos. Esses dados só reforçam a importância de se saber diferenciar as pintas perigosas das que são inofensivas. A descoberta do câncer de pele em estágio inicial é determinante no sucesso do tratamento.

Quer saber mais sobre pintas perigosas? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como dermatologista em São Paulo e Belo Horizonte!

Por: Dra. Ana Paula Coelho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *