Luz Intensa Pulsada: conheça essa tecnologia

Muita gente sofre com rugas, flacidez facial, sardas, vasos dilatados… os problemas dermatológicos são frequentes! Como o índice de situações como essas é alto, a Medicina continua a promover alternativas eficazes para suavizar e reverter essas questões. Dentre as técnicas, está a chamada Luz Intensa Pulsada (LIP).

Muito utilizada em diversos tratamentos para a pele, essa tecnologia é capaz de estimular a produção de colágeno e ainda reposicioná-lo nas regiões mais carentes da substância para que se mantenham mais firmes.

Como a Luz Intensa Pulsada age na pele?

Esse tipo de luz é composto por vários comprimentos de ondas. Essas ondas são fortes e suas propagações atingem uma profundidade exata para estimular três variantes: a melanina, os vasos sanguíneos e o colágeno.

Para cada alvo, a LIP  trabalha da seguinte forma:

  • Melanina: para quem tem sarda ou manchas escuras, a LIP destrói a melanina promovendo o clareamento dessas manchas;
  • Vasos sanguíneos: o calor emitido pela LIP atinge a hemoglobina presente nos microvasos do rosto, pescoço ou do colo. Essa ação promove a redução do calibre e do número de vasos na pele, reduzindo a vermelhidão da pele e ajudando no controle de doenças como a rosácea;
  • Colágeno: a LIP também atinge a molécula de água presente na camada mais profunda da pele: derme. Essa ação promove um aquecimento e posterior estímulo dos fibroblastos com síntese de novo colágeno na região. Dessa forma, esse tratamento possibilita a melhora da textura e do aspecto da pele, sendo indicado para promoção do rejuvenescimento cutâneo.

Quantas sessões são necessárias?

Isso depende da causa que motiva o uso da LIP e da condição do paciente. Casos simples de manchas escuras ou pigmentos escurecidos por conta de tatuagens ou depilações, por exemplo, podem ser resolvidos em poucas sessões. Por outro lado,  para quem enfrente doenças dermatológicas como rosácea e poiquilodermia, podem ser necessárias várias sessões.

A recomendação médica é um intervalo de 4 semanas entre as sessões, para que a pele se adapte ao tratamento. O procedimento é bastante seguro, mas é importante que o paciente informe qualquer irregularidade que possa ocorrer durante o intervalo das sessões. Bolhas, vermelhidão e irritação, por exemplo, são sinais que podem aparecer, mas seu médico sempre deve ser comunicado.

Quem pode fazer?

Se o paciente não tiver nenhuma contraindicação ao procedimento, ele poderá fazer o tratamento tranquilamente. Já quem é gestante, tem pele bronzeada ou enfrenta doenças autoimunes não é aconselhado fazer uso da Luz Intensa Pulsada. Vitiligo, problemas na coagulação sanguínea e certos tipos de infecções também são casos comuns de contraindicação.

O mais importante, enfim, é contar com a expertise de um dermatologista especializado e experiente na tecnologia, o que garante segurança no procedimento e o alcance de ótimos resultados para o paciente.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como dermatologista em São Paulo e Belo Horizonte!

Por: Dra. Ana Paula Coelho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *