Tudo sobre manchas de sol

A pele é o maior órgão do nosso corpo e o que mais fica exposto aos danos do sol. Portanto, devemos nos atentar sempre à saúde da nossa pele. Passando protetor solar todos os dias, mesmo nos dias nublados e chuvosos e não esquecendo que o uso do protetor solar não é dispensável, estamos fazendo a nossa parte.

O mau uso do protetor solar pode causar danos à nossa pele, como as manchas causadas pelo sol, e futuramente acarretar doenças sérias como o câncer de pele.

Neste artigo vamos abordar o que são as manchas de sol, porque elas aparecem e quais são as opções de tratamentos que existem para removê-las ou clareá-las.

O que são as manchas de sol

As manchas de sol surgem na nossa pele por conta da exposição agressiva da pele aos raios ultravioleta. Quando a exposição irresponsável acontece ou vem acontecendo ao longo de vários anos, o melanócito – célula da nossa pele que produz o pigmento melanina – aparece como quem quer dizer: “estou aqui para proteger este local deixe comigo!” e aumenta a síntese de melanina na pele. Portanto, as manchas de sol na pele são decorrentes do aumento da melanina em determinadas regiões da pele. As manchas aparecem principalmente no rosto e nos braços, locais que são mais afetados pelos raios ultravioleta.

Não é brincadeira: o acumulo de melanina só aparece quando aquela região já está sofrendo e precisa de proteção.

Causas comuns

Apesar da exposição irresponsável ao sol ser a principal causadora do aparecimento de manchas, outros fatores também contribuem para o surgimento de manchas na pele.

Algumas pessoas de pele clara, loiras ou ruivas podem ter predisposição a ter efélides, manchinhas popularmente conhecidas como sardas. Essas lesões surgem desde a infância, são benignas e aumentam quando há exposição solar sem proteção.

Os hormônios femininos também podem estimular o surgimento de manchas como o melasma. Esse é um problema que acomete principalmente mulheres na gravidez ou mesmo na vida adulta por influência de anticoncepcionais e que sofreram exposição solar em algum momento na vida. Nesta doença existe também uma influência da luz visível como fator de piora e progressão dessas manchas.

A influência hereditária também é um fator que contribui para o surgimento de manchas na pele, as pessoas de pele mais clara são sempre as mais susceptíveis. Entretanto, as pessoas morenas  possuem maior predisposição a ter um tipo de mancha denominado hipercromia pós-inflamatória. São manchas que surgem em locais da pele que sofreram algum tipo de trauma ou lesão.

E atenção: alguns tipos de plantas e frutas podem provocar manchas quando em contato com a pele exposta ao sol, o limão é um exemplo bem típico.

 

Como se prevenir

Usar protetor solar com o fator de proteção de no mínimo 30. E não adianta utilizar somente quando sai ao sol, pois a partir do momento que o sol nasce, mesmo que você esteja dentro de casa você está recebendo raios UV. Além disso, a luz do computador e das lâmpadas também afetam a sua pele, portanto, faça do uso de protetor solar uma parte da sua rotina, com a mesma naturalidade com que você escova os dentes.

Proteja-se também com chapéus e óculos de sol, eles são ótimos aliados para se esconder do sol, e evite se expor muito entre os horários da 10  às 16 horas, pois é quando os raios estão mais fortes e são mais prejudiciais.

Dica: Ao acordar, lave o rosto e passe protetor. Se ficar bastante tempo dentro de casa, quando sair passe de novo. No dia-a-dia retoque todas as vezes que você for escovar os dentes. Na praia ou na piscina retoque de hora em hora e todas as vezes que sair da água.

Tratamentos

Antes de partir para algum tratamento estético que retire ou clareie as manchas, é necessário identificar a causa da mancha, pois existem diferentes tipos de doenças que provocam manchas na pele, cada uma com um tratamento específico. Além disso, às vezes uma manchinha que você não dá nada por ela pode ser algum tipo de câncer de pele, o melanoma por exemplo é um tipo de câncer de pele que causa uma mancha na pele e que pode matar. O médico dermatologista é o especialista que vai fazer o diagnóstico correto e propor o melhor tratamento para você.

No entanto, os tratamentos mais procurados e recomendados são:

Laser Nd-Yag Q-Switched

Esta tecnologia é específica por remover a melanina da pele. Utiliza-se o raio de laser através de uma ponteira, para atingir a melanina de alguns tipos de manchas e promove um estímulo de colágeno nessa área. A mancha começa a clarear já nos próximos dias, após a sessão. Mas são necessárias várias sessões dependendo de cada caso. Não é recomendável fazer este tratamento quando se está bronzeada, para não haver risco de queimadura da pele.

Luz Intensa Pulsada

Alguns tipos de manchas como melanoses solares e efélides possuem uma excelente resposta ao tratamento com a luz intensa pulsada. Continua sendo o padrão-ouro para o tratamento daquelas manchinhas no dorso das mãos. Esta tecnologia é recomendada para pessoas que possuem a pele clara e desejam uma melhoria da qualidade da pele, mas não podem em hipótese alguma estar com a pele bronzeada. Mas cuidado, a luz intensa pulsada não é indicada para a maioria dos pacientes que possuem melasma.

Peelings químicos

Um dos tratamentos mais utilizados em clínicas, o peeling, é o queridinho das mulheres, pois ele clareia a pele e ainda renova as células do local. Ele faz isso, pois retira toda a camada superficial da pele, promovendo a renovação celular. O tratamento por peeling varia entre tipos mais fortes e mais fracos, depende do caso e do resultado esperado.

É recomendável evitar o sol por pelo menos 15 dias. Mas quando for inevitável sair ao sol, deve-se passar protetor solar, com proteção no mínimo 50, óculos de sol e boné. Isso, porque o peeling deixa a pele sensível, avermelhada e gera descamação.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como dermatologista em São Paulo e Belo Horizonte.

Por: Dra. Ana Paula Coelho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *